top of page
Buscar
  • Nara Pinski

Envelhecimento agridoce


A velhice pode realmente ser um bom momento da vida, diz o Prof. Bodner, co-fundador do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia da Bar-Ilan University. Por exemplo, um fenômeno confirmado em muitos países ao redor do globo, é o “paradoxo do bem-estar”, que demonstra que o bem-estar mental não diminui com a idade, e, de fato, pode até melhorar. Outro benefício emocional evidente na terceira idade é o “viés de positividade” – a tendência de se concentrar em eventos e memórias positivas.

Veja a matéria completa em nosso site, link lá na Bio.

A velhice pode realmente ser um bom momento da vida, diz o Prof. Bodner, co-fundador do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia da Bar-Ilan University. Por exemplo, um fenômeno confirmado em muitos países ao redor do globo, é o “paradoxo do bem-estar”, que demonstra que o bem-estar mental não diminui com a idade, e, de fato, pode até melhorar. Outro benefício emocional evidente na terceira idade é o “viés de positividade” – a tendência de se concentrar em eventos e memórias positivas.

Essas mudanças não acontecem sozinhas. Na velhice, as pessoas percebem que têm menos tempo de vida. Esse reconhecimento fortalece sua base no presente – um fenômeno chamado “horizonte de tempo reduzido”. Os adultos mais velhos fazem bom uso do horizonte de tempo reduzido. Eles usam sua experiência de vida, o que os ajuda a evitar perder tempo com objetivos que consideram inúteis. Aprendem a ser menos ambiciosos, porque o que conseguiram, já conseguiram, e não precisam de provar a si próprios ou aos outros que têm valor, adquirindo novas competências ou conhecimentos. Em vez disso, eles colocam mais ênfase nas emoções e nas emoções positivas, em particular. Essa mudança é responsável pelo fato de reduzirem os laços sociais instrumentais necessários para a ascensão social e se tornarem seletivos na escolha de amigos; eles colocam mais peso nos laços significativos em suas vidas e se conectam com pessoas que gostam de conhecer. O idoso também aprende a vivenciar a vida de forma mais equilibrada, a entender que não é preciso se entusiasmar com os sucessos ou conquistas, pois eles virão depois de algo menos prazeroso e vice-versa: que não há lugar para se afundar no desespero após um acontecimento desagradável, pois o tempo ameniza a frustração e a dor. Essa compreensão os ajuda a conter experiências emocionais mais complexas, como a saudade, que mescla tristeza e gratidão e o prazer de relembrar o que já foi.

Tudo isso parece promissor, mas o desenvolvimento humano e emocional que acompanha a velhice ocorre ao lado de muitas perdas: morte de entes queridos, declínio do status profissional e da renda, fraqueza física, diminuição da beleza, bem como diminuição da memória e do funcionamento cognitivo. Ao mesmo tempo, os adultos mais velhos muitas vezes enfrentam o preconceito de idade, noções preconcebidas e estereótipos sociais relacionados a esse período da vida.

A sociedade moderna dita os requisitos comportamentais específicos dos idosos e faz-lhes exigências complexas: não devem ser um fardo no local de trabalho e devem abrir caminho para os jovens trabalhadores; e após a aposentadoria, eles também não devem ser um fardo para suas famílias e especificamente para seus filhos. Eles devem manter um estilo de vida saudável e não deixar que a velhice os vença; devem comer de forma saudável, praticar esportes, mas não agir como jovens. As expetativas sociais são de que não se juntem a quadros de entretenimento dos jovens, não residam com os jovens, não se vistam como os jovens, não se envolvam com tecnologia avançada nem sejam apaixonados pela música dos jovens, enfim – devem habitar dentro de si. Qualquer comportamento que não esteja de acordo com as normas desta idade será percebido como imitação, como uma intrusão no território dos jovens e será desaprovado.

A submissão a esses ditames sociais, juntamente com o foco nas perdas que ocorrem com a velhice, promove percepções negativas do envelhecimento, como a percepção da velhice como um momento de deterioração e como um momento em que os idosos são excluídos dos negócios. Por outro lado, o gerenciamento adequado da vida emocional na velhice e a utilização adequada do horizonte de tempo reduzido apoiarão o desenvolvimento de percepções positivas do envelhecimento – e a percepção de que é realmente um privilégio envelhecer e transmitir a experiência de vida adquirida para outros. Pesquisas realizadas em todo o mundo, incluindo estudos conduzidos por pesquisadores em nosso programa em Bar-Ilan, mostram que adquirir conhecimento sobre os aspectos positivos do envelhecimento muda positivamente a forma como o envelhecimento é percebido e isso, por sua vez, contribui para a saúde e o bem-estar mental. ser dos idosos e de facto, não só acrescenta vitalidade, mas também (bons) anos de vida.

Percepções positivas e negativas do envelhecimento também incluem a sensação de idade. Nesse contexto, é interessante notar que a maioria dos adultos, inclusive os idosos, geralmente se sente mais jovem do que a idade real. Esse fenômeno não é necessariamente uma negação da idade cronológica. Não decorre do ditame social de que “o mundo é dos jovens”, mas pelo contrário – de uma correta identificação do estado de saúde e vitalidade física e mental do indivíduo que envelhece, o que não corresponde necessariamente ao negativo expectativas sociais de sua idade cronológica.

Olhando além do mundo acadêmico, o Prof. Bodner observa que a idade de aposentadoria permanece a mesma e, ainda assim, em muitas nações do mundo, incluindo Israel, a expectativa de vida aumentou significativamente, de modo que até o ano de 2050, o número de idosos na mundo vai dobrar. Tais desenvolvimentos estendem o período de velhice para uma geração ou mais na vida de uma pessoa. É por isso que todos nós precisamos realmente prestar atenção nas muitas pessoas mais velhas ao nosso redor. Ainda assim, infelizmente, admite que não conhece muitos dos seus colegas, psicólogos clínicos ou médicos, que optam por tratar idosos. Ele também não conhece muitos médicos especializados na área de geriatria ou psicogeriatria. O Prof. Bodner conclui que um número crescente de idosos precisa desses serviços, e o Estado de Israel ainda pode se preparar para isso, em benefício dos idosos e da sociedade como um todo.

O Programa de Mestrado em Gerontologia de Bar-Ilan foi iniciado e fundado há três anos pelo Prof. Ehud Bodner e pelo Prof. Amit Shrira, do Departamento Interdisciplinar de Ciências Sociais e pelo Prof. Devido à natureza interdisciplinar deste campo, o programa está aberto a estudantes de diversas disciplinas, incluindo profissões médicas e paramédicas. O programa compreende uma ligação única entre as ciências sociais e as ciências da vida, juntamente com um estágio de campo e inclui até uma trilha clínica de terapia para adultos mais velhos.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page