top of page
Buscar
  • Foto do escritorNara Pinski

A compensação de carbono pode realmente compensar as emissões?


Diante das mudanças climáticas, buscamos freneticamente novas formas de mitigar nosso impacto no meio ambiente. A compensação de carbono surgiu como uma solução popular, permitindo que as pessoas continuem seu estilo de vida atual enquanto compensam suas emissões de gases de efeito estufa (GEE). Um artigo do Dr. Dan Baras, professor sênior do Departamento de Filosofia da Universidade Bar-Ilan, explora questões relevantes sobre compensação de carbono: Emitir e depois compensar carbono é equivalente a não emitir nada? O resultado empírico é tudo o que importa?


O argumento para a compensação de carbono é baseado em duas premissas: A premissa empírica sugere que quando as emissões são compensadas, o resultado líquido é equivalente a não emitir nada. A premissa normativa afirma que, moralmente falando, o que importa é o resultado líquido. Isso leva ao conceito de “equivalência moral”, significando que emitir + compensar é moralmente equivalente a não emitir. No entanto, esse conceito requer um exame mais aprofundado.


A compensação de carbono é realizada por sequestro ou por prevenção. O sequestro envolve retirar carbono da atmosfera e armazená-lo em outro local (plantar árvores, preservar florestas, capturar CO2 da atmosfera e armazená-lo em reservatórios); enquanto a prevenção evita a emissão de carbono (através de projetos de energia renovável).


A compensação de carbono muitas vezes falha em compensar emissões empiricamente, e sua eficácia é questionável. Além disso, as emissões indiretas causadas por atividades como voar (como construir e manter aeronaves, expandir e manter aeroportos) são frequentemente negligenciadas e não totalmente compensadas.


A adicionalidade e o vazamento representam outros desafios para a compensação de carbono: A adicionalidade refere-se a situações em que os projetos de compensação podem não fazer uma diferença significativa nas emissões, pois poderiam ter acontecido de qualquer maneira. O vazamento ocorre quando os esforços de compensação simplesmente transferem as emissões de um local para outro.


Normalmente, qualquer redução causada por esquemas de compensação ocorre em um momento posterior ao das emissões. O intervalo de tempo entre as emissões e a implementação de projetos de compensação leva a mais GEE na atmosfera, acelerando as mudanças climáticas. Essa aceleração pode limitar o tempo disponível para adaptação e aumentar o risco de consequências catastróficas.


Enquanto alguns acreditam que o resultado líquido é a única consideração, existem outros fatores relevantes. Não emitir em primeiro lugar traz várias vantagens, incluindo evitar emissões diretas e indiretas, eliminar a necessidade de compensação e reduzir a taxa de mudança climática.


O consequencialismo sustenta que as consequências de nossas ações determinam seu valor moral. No contexto da compensação de carbono, o consequencialismo sugere que se dois cursos de ação levam às mesmas consequências, eles são moralmente equivalentes.


O consequencialismo climático afirma que o efeito cumulativo das emissões de muitos indivíduos pode causar danos graves, então o foco está na redução dos níveis gerais de gases de efeito estufa (GEE) em vez das pegadas de carbono pessoais. Portanto, o consequencialismo climático não sustenta a ideia de compensação de carbono, que implica uma conexão entre um agente e suas próprias emissões.


Uma perspectiva não consequencialista argumenta que, se o objetivo é maximizar o bem e tornar o mundo um lugar melhor, seria mais eficiente investir no financiamento de tratamentos de tuberculose para cidadãos de países pobres do que na compensação de emissões.


O artigo do Dr. Baras desafia o conceito de equivalência moral entre emitir e compensar, tanto em bases empíricas quanto morais. Portanto, esforços significativos devem ser feitos para reduzir as emissões sem depender apenas de compensações. O objetivo deve ser ajustar as normas existentes e priorizar a redução de emissões, em vez de depender apenas da compensação como solução.

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page