top of page
Buscar

A COVID-19 pode prejudicar a fertilidade masculina?

Um artigo do Prof. Younis, da Faculdade de Medicina Azrieli da BIU, sobre o impacto do SARS-CoV-2 na fertilidade masculina, foi escolhido pela American Physiological Society como um dos cinco artigos mais lidos publicados no COVID-19 durante 2020



A pesquisa conduzida pelo Prof. Johnny S. Younis, Vice-Reitor de Educação Clínica da Faculdade de Medicina Azrieli de Bar-Ilan, contribui para a nossa compreensão dos possíveis efeitos de longo prazo do COVID-19, especificamente no que diz respeito à fertilidade masculina.

Inicialmente, o coronavírus era considerado um tipo de gripe que afetava o sistema respiratório. Hoje, já se sabe que o vírus afeta vários sistemas do corpo, incluindo o coração, os rins e outros órgãos, e que parte dos danos só se manifesta após a recuperação.

Artigo do Prof. Younis, “Existe um impacto da pandemia COVID-19 na fertilidade masculina? A conexão ACE2 ", foi escolhida pela American Physiological Society como um dos cinco artigos mais lidos publicados no COVID-19 durante 2020. O estudo se concentra em uma proteína chamada ACE2, que chamou a atenção do Prof. Younis por vários motivos, um do qual é a sua prevalência nos pulmões, coração, rins e também nos testículos. Como COVID-19 é conhecido por causar danos aos pulmões, coração e rins, surge a questão de como o vírus afeta os testículos e o sistema reprodutor masculino, e conseqüentemente a fertilidade masculina.

O artigo do Prof. Younis sugere que a proteína ACE2 está localizada na membrana celular e é o principal ponto de entrada do coronavírus na célula; ACE2 também está envolvido no controle da produção de esperma e testosterona. Como mencionado, o vírus pode infectar o testículo à medida que entra nas células através da proteína ACE2, resultando em implicações reprodutivas adversas, especialmente para homens jovens que planejam ter filhos. Uma preocupação adicional da pandemia de COVID-10 é que um dos sintomas prevalentes é uma elevação significativa e prolongada da temperatura corporal. No mundo médico, é bem conhecido que a febre e a elevação da temperatura testicular resultam em comprometimento da produção de espermatozoides. Além disso, alguns pacientes com COVID-19 grave podem sofrer de síndrome de "tempestade de citocinas", uma condição inflamatória que pode aumentar o risco de câncer testicular. À luz de todos esses riscos e em vista do fato de que já existem bilhões de pessoas no mundo que foram consideradas positivas para COVID-19, o artigo do Prof. Younis pede uma pesquisa abrangente sobre os efeitos da pandemia na fertilidade masculina e preparação adequada no campo da medicina reprodutiva.

Para ler o artigo de pesquisa conjunta do Prof. Younis, Prof. Zaid Abassi e Prof. Karl Skorecki no American Journal of Physiology Endocrinology and Metabolism

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page