top of page
Buscar
  • Foto do escritorNara Pinski

A guerra e o estresse pós traumatico

Após a eclosão da guerra Israel-Hamas, o professor Amit Shrira da Universidade Bar-Ilan liderou um estudo que mediu os sintomas de estresse agudo e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) entre israelenses entre novembro e dezembro de 2023, lançando luz sobre o impacto do conflito sobre a saúde mental através das gerações.




A exposição a eventos traumáticos pode resultar em sintomas de estresse agudo que podem durar algumas semanas e possivelmente levar a sintomas de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) que persistem por ainda mais tempo.

Após a eclosão da guerra Israel-Hamas, o professor Amit Shrira da Universidade Bar-Ilan liderou um estudo que mediu os sintomas de estresse agudo e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) entre israelenses entre novembro e dezembro de 2023, lançando luz sobre o impacto do conflito sobre a saúde mental através das gerações.

O estudo utilizou a plataforma online da Qualtrics, mídias sociais e abordagens adicionais para alcançar diversos grupos de participantes, e foram recebidas 428 respostas. Os resultados, publicados recentemente no Journal of Psychiatric Research, revelaram diferenças marcantes entre os jovens adultos com idades compreendidas entre os 20 e os 59 anos e os adultos mais velhos com idades compreendidas entre os 60 e os 87 anos.


Durante a semana inicial do conflito, os jovens adultos relataram níveis significativamente mais elevados de sintomas de stress agudo, com 24,8% a sentirem angústia. Nas semanas subsequentes, a prevalência de provável TEPT nesse grupo disparou para 42,8%. Em contrapartida, os idosos apresentaram taxas mais baixas de estresse agudo (3,7%) durante a primeira semana, com 13,7% relatando provável TEPT nas semanas seguintes.

“Este estudo fornece informações valiosas sobre como diferentes faixas etárias respondem a eventos traumáticos”, observou o Prof. Shrira, do Programa de Gerontologia do Departamento de Ciências Sociais e da Saúde da Universidade Bar-Ilan. “Apesar dos desafios colocados pela guerra Israel-Hamas, os adultos mais velhos demonstraram uma resiliência notável em comparação com os seus homólogos mais jovens.”

A pesquisa se aprofundou em duas hipóteses para explicar essas variações: a hipótese da vulnerabilidade, sugerindo a suscetibilidade dos idosos à psicopatologia induzida por trauma devido à fragilidade física e à redução do apoio social, e a hipótese da inoculação, propondo a resiliência dos idosos devido à experiência de vida e à eficácia mecanismos de enfrentamento.


As descobertas apoiam amplamente a hipótese da inoculação, observa Shrira. “Os adultos mais velhos demonstraram uma resiliência impressionante durante o período tumultuado do conflito Israel-Hamas. Isto significa que, apesar do declínio dos recursos físicos, cognitivos e sociais, os idosos ainda podem ter outros recursos que os ajudam a lidar com eventos traumáticos. Alguns desses recursos incluem experiência de vida, sabedoria, capacidades de regulação emocional e o uso de estratégias para compensar habilidades perdidas e, ao mesmo tempo, otimizar as preservadas. Além disso, os adultos mais velhos podem ter-se adaptado à guerra actual, aproveitando as suas experiências passadas com a guerra, incluindo eventos significativos como a Guerra do Yom Kippur”, diz Shrira.


O estudo, realizado em colaboração com o Prof. Yuval Palgi, do Departamento de Gerontologia da Universidade de Haifa, sublinha a importância de reconhecer e aproveitar os pontos fortes dos idosos em tempos de crise. “É importante reconhecer a força e a resiliência dos idosos, especialmente daqueles que sofreram traumas. Devemos encorajá-los e capacitá-los para enfrentar os desafios actuais, concentrando-nos nas suas capacidades e recursos”, afirma Shrira. “A adopção de uma perspectiva baseada na força pode ajudar os prestadores de cuidados a transmitir a crença na capacidade dos idosos para superar crises, mas também é importante ter em mente que os idosos podem ter reacções diferentes ao stress, pelo que uma abordagem individual é crucial”.

Seguindo em frente, o professor Shrira está analisando dados de pesquisas adicionais focadas em grupos específicos de adultos mais velhos, incluindo sobreviventes do Holocausto, veteranos da Guerra do Yom Kippur de 1973 e indivíduos deslocados internamente.

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page