top of page
Buscar
  • Foto do escritorNara Pinski

A Universidade Bar-Ilan fornecerá subsídios para todos os alunos que estão na linha de frente.

A Universidade Bar-Ilan estabeleceu um fundo emergêncial de NIS 16 milhões para ajudar aproximadamente um terço dos seus 20.000 estudantes que foram convocados para o serviço de reserva e para dez iniciativas lançadas em benefício da comunidade em geral.


Os alunos na linha de frente receberão, cada um, uma bolsa de NIS 1.000-5.000 a ser aplicada em moradia e mensalidades, apoio emocional e horas de estudo adicionais durante o ano acadêmico.


Segundo o presidente da Universidade Bar-Ilan, Prof. Arie Zaban: "Esses estudantes carregam o peso não apenas de lutar pela sobrevivência de Israel, mas também o fardo da preocupação com o futuro deles e de suas famílias. Eles estão angustiados sobre como pagarão as mensalidades e se conseguem administrar o aluguel. Eles têm medo de cobrir as despesas dos filhos quando não podem trabalhar.


“Esperamos ver todos os nossos alunos de volta ao campus assim que o ano letivo começar”, acrescentou Zaban. "Milhares de nossos estudantes estão atualmente convocados para as reservas e outros são voluntários nas diversas iniciativas lançadas para beneficiar a sociedade israelense. Agradecemos imensamente a contribuição de cada um deles. Formamos oito equipes que serão responsáveis por reabsorver os estudantes após a guerra. Estas equipas estão a construir uma estrutura académica e emocional para garantir que o regresso à normalidade não deixa ninguém para trás."


O CEO da Universidade Bar-Ilan, Zohar Yinon, estima que, além do fundo de emergência, a Universidade investiu NIS 4 milhões adicionais para várias iniciativas Bar-Ilan lançadas em apoio à sociedade israelense como um todo. Essas iniciativas incluem uma linha direta operada por dezenas de professores e graduados do Departamento de Psicologia que fornecem apoio emocional; uma escola em Kfar Hamaccabiah, em Ramat Gan, lançada pela Faculdade de Educação para os evacuados do Envelope de Gaza; uma clínica médica simulada de ursinhos de pelúcia para aliviar o medo das crianças em relação aos médicos, criada pela Faculdade de Medicina Azrieli; um sistema que direciona centenas de estudantes para diversas oportunidades de voluntariado; um laboratório móvel de exames de visão, enviado pela Escola de Ciências da Visão, que equipou centenas de pessoas evacuadas no Mar Morto e em outros hotéis com novos óculos; palestras e seminários organizados pelo Centro da Juventude; palestras organizadas pela Faculdade de Estudos Judaicos e pela Faculdade de Letras; briefings de investigadores do Centro de Estudos Estratégicos Begin-Sadat (BESA) para as comunidades internacional e diplomática; atividades nos EUA voltadas para a luta contra o anti-semitismo organizadas pelo Lookstein Center for Jewish Education; e a distribuição de centenas de aparelhos de ultrassom portáteis doados ao corpo médico das FDI.

22 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page