top of page
Buscar
  • Foto do escritorNara Pinski

As mulheres superam os homens em 57 países

Em média, as mulheres são melhores do que os homens em se colocar no lugar dos outros e imaginar o que a outra pessoa está pensando ou sentindo



Os pesquisadores descobriram que as mulheres, em média, têm uma pontuação mais alta do que os homens no amplamente utilizado Teste de "Leitura da Mente nos Olhos", que mede a "teoria da mente" (também conhecida como "empatia cognitiva"). Esse achado foi observado em todas as idades e na maioria dos países. A pesquisa, liderada pelo Dr. David M. Greenberg da Universidade de Cambridge e da Universidade Bar-Ilan e recentemente publicada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), é o maior estudo da teoria da mente até hoje. Uma parte fundamental da interação e comunicação social humana envolve colocar-se no lugar de outras pessoas para imaginar os pensamentos e sentimentos de outra pessoa. Isso é conhecido como "teoria da mente" ou "empatia cognitiva". Durante décadas, os pesquisadores estudaram o desenvolvimento da teoria da mente desde a infância até a velhice. Um dos testes mais amplamente usados ​​para estudar a teoria da mente é o Teste de 'Leitura da Mente nos Olhos' (ou Teste dos Olhos, para abreviar), que pede aos participantes que escolham qual palavra melhor descreve o que a pessoa na foto está pensando ou sentindo, apenas visualizando fotos da região dos olhos do rosto. O Eyes Test foi desenvolvido pela primeira vez em 1997 pelo Prof. Sir Simon Baron-Cohen e sua equipe de pesquisa em Cambridge, revisado em 2001, e tornou-se uma avaliação bem estabelecida da teoria da mente. Ele está listado como um dos dois testes recomendados para medir as diferenças individuais em "Entender os estados mentais" pelo Instituto Nacional de Saúde Mental dos EUA.


Ao longo das décadas, muitas pesquisas independentes descobriram que as mulheres, em média, pontuam mais alto que os homens nos testes de teoria da mente. No entanto, a maioria desses estudos limitou-se a amostras relativamente pequenas, com pouca diversidade geográfica, cultural ou etária. Para resolver essas deficiências, uma equipe de pesquisadores multidisciplinares liderada pela Universidade de Cambridge e Bar-Ilan, com colaboradores das universidades de Harvard, Washington e Haifa, bem como IMT Lucca, fundiu grandes amostras de diferentes plataformas online para analisar dados de 305.726 participantes em todo o mundo. 57 países. Os resultados mostraram que, nos 57 países, as mulheres, em média, pontuaram significativamente mais alto que os homens (em 36 países) ou semelhantes aos homens (em 21 países) no Eye Test. Notavelmente, não houve nenhum país onde os homens, em média, pontuaram significativamente mais alto do que as mulheres no Teste de Visão. A diferença média entre os sexos foi observada ao longo da vida, de 16 a 70 anos. A equipe também confirmou essa diferença média entre os sexos em três conjuntos de dados independentes e em versões não inglesas do Eyes Test, abrangendo oito idiomas. Dr. David M. Greenberg, o principal cientista do estudo, um Zuckerman Scholar em Bar-Ilan e Honorary Research Associate em Cambridge, disse: “Nossos resultados fornecem algumas das primeiras evidências de que o conhecido fenômeno – que as mulheres são em média mais empática do que os homens – está presente em uma ampla gama de países em todo o mundo. É apenas usando conjuntos de dados extensos que podemos dizer isso com confiança”.


Embora este estudo não consiga discernir a causa dessa diferença média entre os sexos, os autores discutem, com base em pesquisas anteriores, que isso pode ser resultado de fatores biológicos e sociais. O Prof. Sir Simon Baron-Cohen, Diretor do Centro de Pesquisa do Autismo na Universidade de Cambridge e autor sênior do estudo, disse: “Estudos de diferenças sexuais médias não dizem nada sobre a mente ou as aptidões de um indivíduo, uma vez que um indivíduo pode ser típico ou atípico para o seu sexo. O Eyes Test revela que muitas pessoas lutam para ler as expressões faciais por vários motivos. O apoio deve estar disponível para aqueles que o procuram.” Os pesquisadores também mostraram que, além do sexo, as “pontuações D” (a diferença entre o impulso de uma pessoa para sistematizar e seu impulso para empatizar) é um preditor negativo significativo de pontuações no Eyes Test. Isso se soma a um estudo anterior liderado por Greenberg em 2018 com mais de 650.000 participantes, também publicado no PNAS, que descobriu que os escores D representavam 19 vezes mais da variação nos traços autistas do que o sexo ou qualquer outra variável demográfica. Assim, D-scores parecem desempenhar um papel mais importante do que o sexo em aspectos da cognição humana. A Dra. Carrie Allison, Diretora de Pesquisa Aplicada do Centro de Pesquisa em Autismo da Universidade de Cambridge, e membro da equipe, disse: “Este estudo demonstra claramente uma diferença de sexo amplamente consistente entre países, idiomas e idades. Isso levanta novas questões para pesquisas futuras sobre os fatores sociais e biológicos que podem contribuir para a diferença média observada entre os sexos na empatia cognitiva”. Faça o teste "Lendo a mente nos olhos".

76 visualizações0 comentário

Komentarze


bottom of page