top of page
Buscar

Como se integrar no mundo global dos negócios?

Mexicanos, tailandeses e israelenses participam da reunião do conselho de uma empresa multinacional. Quem terá mais dificuldade para se integrar? O Prof. Baruch Shimoni, um antropólogo especializado em gestão intercultural e consultoria organizacional, oferece a resposta e a explicação.



Um típico caroneiro israelense, que cresceu contra o pano de fundo de uma IDF combativa e comum por um ambiente supercapitalista, improvisação e busca rápida de objetivos, pode ter dificuldade para se integrar em um ambiente organizacional baseado em regras e procedimentos formais. Em entrevista ao Globes, o Prof. Shimoni, do Departamento de Sociologia e Antropologia da Universidade Bar-Ilan, explica por que em muitos casos as fusões e aquisições de empresas israelenses fracassam, assim como as relocações de executivos israelenses de alta tecnologia. Diante disso, a tendência da globalização parece obscurecer as diferenças culturais, mas nesses pontos de contato, que fazem parte da globalização, as diferenças interculturais estão flutuando na superfície. Comparando executivos mexicanos, tailandeses e israelenses que entraram em corporações multinacionais, o Prof. Shimoni descobriu que os mexicanos ficavam felizes em abraçar a cultura corporativa americana; Os tailandeses se caracterizavam pela "adoção fora da separação" e se comportavam de certa forma perante a organização internacional, mas mantinham sua cultura de conduta interna; Enquanto entre os israelenses a atitude era de adoção por resistência. A conduta arrogante dos israelenses e sua tentativa de mostrar que são melhores causa conflitos entre eles e os americanos e dificuldades mútuas de integração. A entrevista com o Prof. Shimoni refere-se, entre outras coisas, a uma postagem escrita pelo diretor da Wise, Noam Bardin, que se aposentou, na qual ele reclamou do envolvimento excessivo com a burocracia e o bem-estar dos funcionários na comunidade - "muitos advogados, aulas de ioga e sushi na sala de jantar, em detrimento da promoção do produto." Pelo seu conhecimento das lacunas culturais, o Prof. Shimoni não se surpreendeu com as opiniões de Bardin sobre a conduta do Google (que adquiriu a Wise). “Como consultor organizacional, tentaria conscientizá-lo das diferenças culturais associadas ao tratamento dos funcionários, procedimentos e tempo”, disse o Prof. Shimoni. Sentado em uma empresa sueca, por exemplo, você não saberá quem é o gerente porque todas as decisões são tomadas por consenso, são coisas que precisam ser reconhecidas. Bardin teve que ser aberto o suficiente para aceitar essas diferenças. Para o artigo completo no Globes https://bit.ly/3bS2o6V

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page