top of page
Buscar
  • Foto do escritorNara Pinski

Vinculando o Futuro


Uma experiência comportamental mostra que a regulação intergeracional poderia prevenir a perda futura de recursos naturais.

Atualmente, a humanidade enfrenta riscos de longo prazo, incluindo mudanças climáticas, perda de biodiversidade, pandemias globais e muito mais. Enfrentar esses desafios requer cooperação intergeracional, pois uma única geração não pode resolvê-los absolutamente. Os mecanismos que ajudam a desenvolver a cooperação em dilemas sociais dentro de uma única geração incluem reciprocidade, punição de terceiros e instituições centrais de execução, mas estes não funcionam de forma ideal em um contexto intergeracional.


A humanidade enfrenta atualmente riscos a longo prazo, incluindo alterações climáticas, perda de biodiversidade, pandemias globais e muito mais. Enfrentar estes desafios requer cooperação intergeracional, uma vez que uma única geração não pode resolvê-los de forma absoluta. Os mecanismos que ajudam a desenvolver a cooperação em dilemas sociais dentro de uma única geração incluem a reciprocidade, a punição de terceiros e as instituições centrais de aplicação, mas estes não funcionam de forma ideal num contexto intergeracional.


Um estudo realizado pelo professor Oren Perez da Faculdade de Direito e Eliran Halali do Departamento de Psicologia da Universidade Bar-Ilan examinou os aspectos comportamentais da implementação de um mecanismo vinculativo - uma ferramenta de "regulação intergeracional" que pode impedir uma geração de agir de maneiras que ignoram as necessidades das gerações futuras. As descobertas sugerem espaço para otimismo e elaboração de regulamentação.


Um exemplo de fracasso na abordagem do desafio climático é o novo fenomeno da lavagem climática. Muitas empresas publicaram recentemente compromissos para reduzir as emissões de carbono e eliminá-las totalmente até 2050. No entanto, estudos indicam que estes compromissos não são fiáveis. Um relatório de 2023 do instituto de pesquisa InfluenceMap descobriu que quase 300 empresas da lista das 2.000 da Forbes que publicaram compromissos climáticos correm o risco de “lavagem verde”. Um estudo de 2024 realizado pelo Banco Central Europeu lançou dúvidas sobre a eficácia dos compromissos climáticos dos principais bancos, dados os seus padrões de empréstimo.


Um mecanismo vinculativo pode garantir a eficácia contínua das ações necessárias para lidar com dilemas intergeracionais. Ajuda a mobilizar o apoio político da geração actual no início de uma cadeia de cooperação intergeracional, tanto ao garantir a eficácia contínua do esforço como ao abordar o problema da desconfiança na vontade das gerações futuras de agirem de forma altruísta. Estes mecanismos vinculativos pertencem a uma categoria única de ferramentas de “regulação intergeracional” concebidas para colmatar a lacuna de confiança entre gerações.


Halali, chefe do programa de Psicologia Social-Organizacional, e Perez, chefe da Escola de Sustentabilidade e Meio Ambiente da Universidade Bar-Ilan, investigaram experimentalmente os aspectos comportamentais da implementação de um mecanismo vinculativo para promover a cooperação intergeracional. Examinaram se as pessoas estariam dispostas, voluntariamente, a investir num mecanismo vinculativo (apesar dos danos para o seu bem-estar pessoal) e examinaram o efeito da adição da opção de implementar um mecanismo vinculativo na sobrevivência do património comum ao longo das gerações.


O estudo teve três conclusões principais: Primeiro, existe um grupo significativo na população de altruístas de longo prazo que estão dispostos a abrir mão de ganhos pessoais para melhorar não apenas o bem-estar da próxima geração, mas também o da geração seguinte (como oposição aos altruístas de curto prazo que só olham para a próxima geração depois deles). Na primeira geração, 27% dos participantes optaram por investir num mecanismo vinculativo concebido para garantir o bem-estar da terceira geração, amarrando as mãos da segunda geração (ao lado de 38% que demonstraram altruísmo de curto prazo, retirando apenas 50 unidades do recurso compartilhado e 35% egoístas que tomaram todo o recurso para si).


Os 97 participantes do estudo foram distribuídos em cadeias de cinco gerações. Cada participante representou uma das cinco gerações. O primeiro participante recebeu um recurso de 100 unidades, que compartilhou com as gerações futuras. O recurso era reabastecido para 100 unidades se o participante passasse pelo menos 50 unidades para a próxima geração – ou seja, não utilizasse mais do que 50 unidades. No grupo de controle, cada participante (geração) poderia escolher entre duas opções: consumir todas as 100 unidades, o que esgotaria o pool para que nenhum dos futuros participantes (gerações) pudesse utilizá-lo e ganhar bônus; ou consumir 50 unidades, o que atenderia ao limite de renovação do pool (recarga para 100 unidades), para que o próximo participante (geração) pudesse escolher como utilizar o recurso e ganhar um bônus. No grupo experimental, os participantes tiveram a opção adicional de um mecanismo de ligação: podiam amarrar as mãos do próximo participante (geração) investindo 10 unidades num mecanismo de ligação (consumindo apenas 40 unidades). O mecanismo de vinculação evita que o próximo participante consuma todo o recurso (100 unidades), restando apenas a opção de escolher entre consumir 50 unidades ou ativar um mecanismo de vinculação.


Em segundo lugar, constatou-se também que os mecanismos de compromisso produzem benefícios a longo prazo, aumentando o número de cadeias que conseguiram preservar o conjunto partilhado por todas as gerações (em comparação com o grupo de controlo). Enquanto no grupo com mecanismo de ligação, 48,5% das cadeias de geração sobreviveram até a quarta geração, no grupo controle cujos participantes não foram expostos à opção de mecanismo de ligação, apenas 24,8% das cadeias sobreviveram até a quarta geração.


Por fim, as conclusões do estudo também indicam o desenvolvimento de uma norma de investimento num mecanismo vinculativo. Embora o mecanismo vinculativo fosse voluntário, as gerações subsequentes à primeira tenderam a continuar a utilizá-lo.


As conclusões do estudo têm várias implicações para a concepção de ferramentas regulatórias intergeracionais. Em primeiro lugar, foi encontrado um apoio significativo para a activação de um mecanismo vinculativo na primeira geração, apesar do seu custo. Esta conclusão indica o apoio público à incorporação de mecanismos vinculativos no contexto climático, especialmente dada a preocupação com a lavagem climática. Em segundo lugar, a escolha de investir num mecanismo vinculativo reflecte uma falta de confiança na vontade da segunda geração de agir de forma altruísta. Esta conclusão pode apoiar a construção de instituições que possam colmatar o fosso entre as gerações actuais e futuras, desenvolvendo assim a confiança necessária. Israel foi um dos primeiros países a adoptar tal mecanismo sob a forma do Comissário para as Gerações Futuras (infelizmente, o Knesset aboliu a instituição da Comissão em 2010). Finalmente, a conclusão de que a incorporação de um mecanismo vinculativo teve um efeito positivo na taxa de bem-estar agregado intergeracional (apesar de ser voluntária e envolver um custo) justifica a adição de mecanismos vinculativos ao conjunto de ferramentas regulamentares em Israel.


Para o artigo completo: https://ssrn.com/abstract=4681907



0 visualização0 comentário

Commentaires


bottom of page